quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

"Olhar para ele era ter que encarar nossos limites"

O texto a seguir foi postado pela fã Andréa Faggion, um dia após a morte de Michael. Espero que gostem!

Por Andréa Luiza Bucchile Faggion

Eu não sei se ele era louco, só que era a minha loucura. Obviamente, nunca lidei bem com isso. Minha mãe sempre me conta a mesma história: como era impossível me tirar da frente da tv quando eu tinha 2 ou 3 aninhos, e os clipes de Thriller que iam chocando o mundo um a um, quase tanto quanto a notícia de ontem. Particulamente, minha primeira lembrança é mais tardia. Eu cantarolava Bad no caminho para a escola primária. Disso lembro bem... Um dia, quando eu estava pelos 12 ou 13, vi a notícia de que o clip de Black or White (BOW) iria fazer sua estréia em rede mundial. O mundo ia parar! Os brasileiros, diante do Fantástico. Estava na casa do meu avô com a família. Implorei para irmos logo embora para eu não correr o risco de perder a oportunidade de gravar o acontecimento.

Naquele tempo, eu acompanhava tudo pelos jornais impressos e revistas (eu tinha um acordo com a dona da banca, ela me deixava folhear todas as revistas e eu comprava todas em que ele aparecesse). Engraçado! As matérias eram sempre ofensivas. Nada desse endeusamento desenfreado com o qual vocês estão sendo bombardeados agora. Lembro bem de uma reportagem que tirava sarro do clip seguinte a BOW: Remember the Time. O tom não era só jocoso, era rancoroso. Eu tomei a ofensa como pessoal, sei lá por que diabos, mas dei de ombros e recortei a foto. Guardo até hoje. Foi uma das primeiras. Talvez a segunda. A primeira mesmo foi uma que guardei com a maior vergonha, e só por consideração à minha tia. Ela recortou do jornal e me entregou: "é dele que você tanto gosta, não?" Eu guardei dobradinha no porta-moedas da carteira. Tenho-a até hoje: com as dezenas de marcas de dobras.

Naquela época, não existia internet. Coisa comum em casa era o grito: "Miiiichaaaeell"; vindo de alguém da sala. E lá vinha a Andrea trombando em todos os móveis para pular desesperada na frente da TV. Acabava a matéria, dane-se se falassem mal, eu dizia toda feliz: "eu vi ele, eu vi ele". É, com o erro assim mesmo, era assim que saía. Tinha virado a brincadeira da família (que parou para chorar junto comigo ontem).

Porém, um dia, vi no jornal que a tal da internet tinha um site com notícias dele. Era feito pelos fãs. MJIFC, não? Eu tinha acabado de comprar meu primeiro computador. Pedia para minha mãe entrar no site no trabalho e salvar as notícias em um disquete. Oh, coisa boa, pela primeira vez na vida, notícias sem ódio, sem malícia. Ato contínuo, comecei a graduação e podia usar os computadores do laboratório da universidade. Demorava um século para uma foto carregar. Eu salvava todas em disquetes. Não tenho mais como abrir disquetes. Guardo todos em caixinhas até hoje.

Mas eu pulei um pedaço da história. Entre os 12 e esses 17, eu comecei a encontrar a pessoa por trás da máscara, da fedora, do óculos, da luva... do artista. Cheguei no colégio um dia e fui presenteada por uma colega. Eram umas páginas arrancadas de uma revista que traduziam uma parte da auto-biografia dele (é, todo mundo que me conhece me presenteia com coisas assim). "O céu não tem que ser pintado de azul, o desenho não tem que estar no centro da folha de papel". Guardei essa frase até hoje. Precisava dizer alguma coisa a mais? Se precisava, ele disse no portão de casa, citando: "Minhas leis e as leis de Deus, vergonha a quem pensar mal disso".

Não existia convenção social para esse homem. Costumes, nada disso o afetava. Ele era uma aberração mesmo. A imprensa sempre teve razão. Só uma aberração conseguiria ser tão trágica e dolorosamente individual. Se não era uma lei de Deus (a lei moral, para ele), não há regra neste mundo que ele não tenha violado. Na verdade, nem se tratava de violar. Elas simplesmente não existiam para ele. Por isso, ele estava tão fora do alcance da nossa compreensão.

Olhar para ele era ter que encarar nossos limites. Por que somos como somos se não é necessário que o sejamos? Pois é, através dele é que descobríamos que não era necessário que o fossemos: "E se eu quiser colocar uma pinta aqui [ele dizia apontando para a testa], e se eu quiser um terceiro olho?" A gente teria que dizer: "É, você pode, eu é que não dou conta de tolerar isso". Isso é que doía tanto em tantos. Isso é que o fazia tão odiado. Daí que eu fui aprendendo a razão de ser de tanto ódio contido naqueles meus primeiros recortes. O executivo da gravadora ordenava que ele tirasse fotos com alguma super-modelo, ele posava abraçado com o Mickey Mouse na Disney! Esse era o Michael. O único verdadeiro subversivo do pop. Por isso, o Peter Pan do Pop.

Não é que ele tivesse um intelecto infantil, fizesse beicinho e birrinha sem motivo. Nunca tive notícia de nada nesse sentido. Ele pregava a inspiração nas crianças, ao mesmo tempo em que esclarecia que não estava dizendo para fazermos criancices. Ninguém entendia! A criança dele era meio que um bom selvagem: a pessoa que ainda não foi determinada por convenções que soarão como dogmas instranponíveis, quando o próprio mecanismo da socialização tiver sido encoberto para nossos olhos.

Ele era o Peter Pan. Nós, sua legião de fãs, os garotos perdidos. Elizabeth Taylor, sua Wendy (e eu que achava que ele é quem sofreria a morte dela). No fundo, todo mundo sabia como a história terminaria. Peter não pode crescer. Os garotos perdidos têm que crescer. Eles se separam no final. Peter volta sem eles para Neverland. Mas a visita de Peter em nossa janela à noite, nossa temporada na Terra do Nunca... nada foi em vão. Nós ficamos, ele se foi, envelheceremos, ele não! Mas será que cresceremos mesmo? Mentira! Só guardaremos as aparências. Antes de partir, ele ensinou o essencial: "Neverland é um lugar na mente". Aquele que ele construiu na matéria era só um modelo sensível para a gente entender a idéia regulativa. A vida dele era também um modelo sensível dessa idéia regulativa. Agora a gente entendeu. A missão dele está cumprida. Podemos ficar para sempre na Terra do Nunca...


Créditos:
- Edcyhis

© 2010 – MJJ FC – Os direitos autorais do texto pertencem só e exclusivamente a seu autor. É unicamente dever do autor garantir a integridade do mesmo.

11 comentários:

  1. É preciso ser muito bom pra conquistar uma fã com apenas dois anos de idade e, mais ainda, conservar esse fanatismo. E olha que Thriller é bastante assustador, hein!
    O Rei merece!

    ResponderExcluir
  2. Cada fã tem a sua 'trajetória', mas este texto em especial, mostra não só o que a fã aprendeu com o astro Michael Jackson e sim também com a sua pessoa. Gostei bastante!

    ResponderExcluir
  3. "Não existia convenção social para esse homem. Costumes, nada disso o afetava. Ele era uma aberração mesmo. A imprensa sempre teve razão. Só uma aberração conseguiria ser tão trágica e dolorosamente individual."

    Michael Jackson era único. Ninguém determinava o que ele deveria fazer. Por conta disso ele teve algumas complicações sérias, no decorrer de sua vida. Mas, ele era assim mesmo, fazer o que?

    Michael Eterno!

    ResponderExcluir
  4. Oi amigo... arruma o meu link no banner de parceiros que ta errado... please..

    obrigada..
    bjos...

    ResponderExcluir
  5. Que texto maravilhoso esse Felipe!!
    Amo ler esses desabafos de fãs que deixam que o coração vá ditando o que é para ser escrito.

    Acredito que tenha sido exatamente esse sentimento de empatia, que a autora se refere quase no início de seu texto, que ela diz ter sentido por Michael, que fez com que muitas pessoas tenham ficado mais atentas em Michael e se tornado fãs dele também. Falo por mim. ;)
    Tantos comentários maldosos, sarcásticos, humilhantes e ofensivos que eram direcionados à Michael, eu sentia como se fossem direcionados à mim, era como se eu me colocasse em seu lugar e sentisse sua dor...sei lá... Essas ofensas todas fizeram com que eu me aproximasse dele, acreditasse nele, e o apoiasse em meus pensamentos.

    Creio que esse “endeusamento” se deu após sua “morte”, justamente por esse motivo ao qual ela mesma esclarece tão bem, “as matérias eram ofensivas”. Antes as matérias eram ofensivas e a imagem de Michael era totalmente e propositalmente distorcida pela mídia.

    As informações verdadeiras e completas sobre Michael surgiram após sua “morte”. Foram reveladas muitas informações que muitos desconheciam, inclusive muitos fãs. E a maioria das pessoas começou a enxergar Michael por inteiro...não somente com toda a qualidade de um astro talentosíssimo...mas de um gênio e de um ser humano incrivelmente elevado também.

    Amei esse texto de paixão!
    Foi um maravilhoso desabafo que ela fez deixando que o coração falasse por si...narrando com ternura e atenção o que sentiu em Michael, seus propósitos, seu caráter, sua inteligência, sua essência, sua música...


    "Neverland é um lugar na mente".

    “A missão dele está cumprida. Podemos ficar para sempre na Terra do Nunca... “

    Basta se permitir como Michael mesmo disse. ;)

    ResponderExcluir
  6. Ah, esse texto lindo define o sentimento puro e forte, que fez parte de uma vida toda de uma fã, e que, certamente continuará a existir para sempre.
    Gostei muito. Achei que foi escrito mesmo com o coração.

    É alguém que não se deixou influenciar pelas críticas, pelas notícias falsas. Seu sentimento é sincero. É de fãs assim que Michael precisa e, como ele é imortal, vai precisar sempre.

    Eterno Michael Jackson!

    ResponderExcluir
  7. "A primeira mesmo foi uma que guardei com a maior vergonha..."
    Não ficou claro pra mim o motivo da vergonha, Andréa.

    Achei admirável a trajetória da paixão dessa fã pelo adorado Michael. Como ele é importante na sua vida! O melhor é que ela não se abateu pelas ofensas.

    I love you, Mike!

    ResponderExcluir
  8. Babi, acho que essa vergonha que ela cita, talvez seja porque ela era uma criança na época.
    As crianças não eram como as de hoje!!! Tinham vergonha de tudo.
    Sei lá!
    Posso estar dizendo bobagem! Enfim...

    Mas esse texto da Andréa é maravilhoso, como todos os outros que já li dela!
    Ela escrevia como Niemand na saudosa MJBeats, ou será que este texto me fez delirar???

    Mostra de uma maneira muito linda, o amor de uma fã desde a mais tenra idade e de como Michael, mesmo não estando mais aqui, ainda continua a nos ensinar tanta coisa bonita!
    Seja através de suas novas músicas, ou de detalhes de sua vida, que só descobrimos agora, depois que ele se foi!

    Sua vida nos faz filosofar...

    MJ 4ever
    I love you Michael... cada vez mais!

    ResponderExcluir
  9. Também gostei muito desse depoimento! Nosso Mike é gente demais! Amo, amo muitooooooo

    L.O.V.E.

    ResponderExcluir
  10. Quem sabe essa vergonha não tenha sido mesmo por esse motivo, hein, Zú? Acho que as crianças de hoje nem sabem o que isso significa. rsrs

    ResponderExcluir
  11. É verdade Babi... não sabem mesmo!
    Quanto ao real motivo da vergonha da Andréa, acho que nunca saberemos... a não ser que ela comente aqui kkkk

    ResponderExcluir