segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Unidos da Tijuca novamente homenageia MJ

Parece que teremos um motivo para assistir ao desfile das escolas de samba no Carnaval! A comissão de frente da Unidos da Tijuca irá performar a coreografia de 'Thriller' na agremiação desse ano.

A atual campeã do Carnaval carioca desfilará na Marquês de Sapucaí no domingo, 6 de março, às 00:15h, com o enredo "Esta noite levarei sua alma". O tema principal será terror. Confira alguns trechos da canção:

"
Entreguem suas almas, descubram suas fraquezas, encontrem o fim. Todos têm o mesmo rosto: a boca trincada, os olhos de espanto, as mãos frias, o medo de atravessar. Retorcem seus corpos nos assentos, não conseguem se mexer, sair do lugar, enfrentam cada etapa. Querem o escuro e o silêncio. Estão imóveis, apavorados, indefesos. A expressão de horror acompanha o choro, o lamento, o grito, o grunhido, a explosão, o ruído, as máquinas de destruição. A ameaça pode assumir qualquer forma. Pode estar em qualquer lugar. Alguns virão para defendê-los. A maioria virá para destruí-los…

[...]

Estão com medo… Por que ainda temem, se já embarcaram e não há mais nada a fazer? Já sentiram isso antes? Certamente, porque aqui estão. Então, prossigam… Vençam suas batalhas, enfrentem suas assombrações. Vocês podem até se esconder e rezar. Mas não vão escapar."

O enredo, realmente, é a cara de Thriller!

No ano passado, a mesma escola homenageou Michael, colocando um cover num dos carros alegóricos. Havia também um enorme poster, no qual podíamos ler a frase: "Michael vive em todas as estrelas. Deus te abençoe". Com essa homenagem, a Unidos da Tijuca acabou sendo a campeã de 2010! E esperamos que isso se repita em 2011.



© 2010/2011 – MJJ FC – Os direitos autorais do texto pertencem só e exclusivamente a seu autor. É unicamente dever do autor garantir a integridade do mesmo.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

"Olhar para ele era ter que encarar nossos limites"

O texto a seguir foi postado pela fã Andréa Faggion, um dia após a morte de Michael. Espero que gostem!

Por Andréa Luiza Bucchile Faggion

Eu não sei se ele era louco, só que era a minha loucura. Obviamente, nunca lidei bem com isso. Minha mãe sempre me conta a mesma história: como era impossível me tirar da frente da tv quando eu tinha 2 ou 3 aninhos, e os clipes de Thriller que iam chocando o mundo um a um, quase tanto quanto a notícia de ontem. Particulamente, minha primeira lembrança é mais tardia. Eu cantarolava Bad no caminho para a escola primária. Disso lembro bem... Um dia, quando eu estava pelos 12 ou 13, vi a notícia de que o clip de Black or White (BOW) iria fazer sua estréia em rede mundial. O mundo ia parar! Os brasileiros, diante do Fantástico. Estava na casa do meu avô com a família. Implorei para irmos logo embora para eu não correr o risco de perder a oportunidade de gravar o acontecimento.

Naquele tempo, eu acompanhava tudo pelos jornais impressos e revistas (eu tinha um acordo com a dona da banca, ela me deixava folhear todas as revistas e eu comprava todas em que ele aparecesse). Engraçado! As matérias eram sempre ofensivas. Nada desse endeusamento desenfreado com o qual vocês estão sendo bombardeados agora. Lembro bem de uma reportagem que tirava sarro do clip seguinte a BOW: Remember the Time. O tom não era só jocoso, era rancoroso. Eu tomei a ofensa como pessoal, sei lá por que diabos, mas dei de ombros e recortei a foto. Guardo até hoje. Foi uma das primeiras. Talvez a segunda. A primeira mesmo foi uma que guardei com a maior vergonha, e só por consideração à minha tia. Ela recortou do jornal e me entregou: "é dele que você tanto gosta, não?" Eu guardei dobradinha no porta-moedas da carteira. Tenho-a até hoje: com as dezenas de marcas de dobras.

Naquela época, não existia internet. Coisa comum em casa era o grito: "Miiiichaaaeell"; vindo de alguém da sala. E lá vinha a Andrea trombando em todos os móveis para pular desesperada na frente da TV. Acabava a matéria, dane-se se falassem mal, eu dizia toda feliz: "eu vi ele, eu vi ele". É, com o erro assim mesmo, era assim que saía. Tinha virado a brincadeira da família (que parou para chorar junto comigo ontem).

Porém, um dia, vi no jornal que a tal da internet tinha um site com notícias dele. Era feito pelos fãs. MJIFC, não? Eu tinha acabado de comprar meu primeiro computador. Pedia para minha mãe entrar no site no trabalho e salvar as notícias em um disquete. Oh, coisa boa, pela primeira vez na vida, notícias sem ódio, sem malícia. Ato contínuo, comecei a graduação e podia usar os computadores do laboratório da universidade. Demorava um século para uma foto carregar. Eu salvava todas em disquetes. Não tenho mais como abrir disquetes. Guardo todos em caixinhas até hoje.

Mas eu pulei um pedaço da história. Entre os 12 e esses 17, eu comecei a encontrar a pessoa por trás da máscara, da fedora, do óculos, da luva... do artista. Cheguei no colégio um dia e fui presenteada por uma colega. Eram umas páginas arrancadas de uma revista que traduziam uma parte da auto-biografia dele (é, todo mundo que me conhece me presenteia com coisas assim). "O céu não tem que ser pintado de azul, o desenho não tem que estar no centro da folha de papel". Guardei essa frase até hoje. Precisava dizer alguma coisa a mais? Se precisava, ele disse no portão de casa, citando: "Minhas leis e as leis de Deus, vergonha a quem pensar mal disso".

Não existia convenção social para esse homem. Costumes, nada disso o afetava. Ele era uma aberração mesmo. A imprensa sempre teve razão. Só uma aberração conseguiria ser tão trágica e dolorosamente individual. Se não era uma lei de Deus (a lei moral, para ele), não há regra neste mundo que ele não tenha violado. Na verdade, nem se tratava de violar. Elas simplesmente não existiam para ele. Por isso, ele estava tão fora do alcance da nossa compreensão.

Olhar para ele era ter que encarar nossos limites. Por que somos como somos se não é necessário que o sejamos? Pois é, através dele é que descobríamos que não era necessário que o fossemos: "E se eu quiser colocar uma pinta aqui [ele dizia apontando para a testa], e se eu quiser um terceiro olho?" A gente teria que dizer: "É, você pode, eu é que não dou conta de tolerar isso". Isso é que doía tanto em tantos. Isso é que o fazia tão odiado. Daí que eu fui aprendendo a razão de ser de tanto ódio contido naqueles meus primeiros recortes. O executivo da gravadora ordenava que ele tirasse fotos com alguma super-modelo, ele posava abraçado com o Mickey Mouse na Disney! Esse era o Michael. O único verdadeiro subversivo do pop. Por isso, o Peter Pan do Pop.

Não é que ele tivesse um intelecto infantil, fizesse beicinho e birrinha sem motivo. Nunca tive notícia de nada nesse sentido. Ele pregava a inspiração nas crianças, ao mesmo tempo em que esclarecia que não estava dizendo para fazermos criancices. Ninguém entendia! A criança dele era meio que um bom selvagem: a pessoa que ainda não foi determinada por convenções que soarão como dogmas instranponíveis, quando o próprio mecanismo da socialização tiver sido encoberto para nossos olhos.

Ele era o Peter Pan. Nós, sua legião de fãs, os garotos perdidos. Elizabeth Taylor, sua Wendy (e eu que achava que ele é quem sofreria a morte dela). No fundo, todo mundo sabia como a história terminaria. Peter não pode crescer. Os garotos perdidos têm que crescer. Eles se separam no final. Peter volta sem eles para Neverland. Mas a visita de Peter em nossa janela à noite, nossa temporada na Terra do Nunca... nada foi em vão. Nós ficamos, ele se foi, envelheceremos, ele não! Mas será que cresceremos mesmo? Mentira! Só guardaremos as aparências. Antes de partir, ele ensinou o essencial: "Neverland é um lugar na mente". Aquele que ele construiu na matéria era só um modelo sensível para a gente entender a idéia regulativa. A vida dele era também um modelo sensível dessa idéia regulativa. Agora a gente entendeu. A missão dele está cumprida. Podemos ficar para sempre na Terra do Nunca...


Créditos:
- Edcyhis

© 2010 – MJJ FC – Os direitos autorais do texto pertencem só e exclusivamente a seu autor. É unicamente dever do autor garantir a integridade do mesmo.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

30th Anniversary Celebration

O '30th Anniversary Celebration' foi uma série de 2 shows em comemoração aos 30 anos da carreira solo do Rei do Pop (seu primeiro single solo, Got To Be There, foi gravado em 1971). Ambos apresentados no Madison Square Garden, em Nova York, nos dias 07/09 e 10/09 de 2001.

Entre os artistas participantes, estavam: Samuel L. Jackson, Usher, Whitney Houston, Marlon Brando, Gloria Estefan, Liza Minnelli, Ray Charles, Elizabeth Taylor, Britney Spears, Justin Timberlake (com sua banda 'N Sync), Slash, Quincy Jones, Nelly Furtado, Gloria Gaynor, Gladys Knight, Chris Tucker, Kenny Rogers, entre muitos outros. Uma observação: nem todos que cantaram no dia 07, também cantaram no dia 10. Um exemplo é Britney Spears, que só participou de um dos shows.

Além disso, depois de diversos anos, os Jackson 5 se reencontraram para reviver sucessos como 'Can You Feel It', 'ABC', 'The Love You Save', 'I Want You Back', 'I`ll Be There', 'Shake Your Body' e 'Dancing Machine'. Elizabeth Taylor faz a introdução: "Damas e cavalheiros, demos as boas-vindas a Michael Jackson e The Jacksons!" Explosivos são acionados e, como já era de costume, o Rei do Pop sai de baixo do palco, para delírio da platéia. Os outros Jacksons aparecem e começam o medley.

O melhor ainda estava por vir! Michael fez apresentações solo, interpretando Black Or White, The Way You Make Me Feel, Billie Jean, Beat It e You Rock My World. Para finalizar, todos sobem ao palco para cantar We Are The World.

Mas o '30th Anniversary Celebration' não ficou marcado apenas por comemorações. No dia 11 de Setembro, ocorreu o terrível e chocante atentado às Torres Gêmeas, que marcou todo o mundo, com quase 3.000 vítimas. Infelizmente, o clima festivo se transformou em desespero. Dez dias depois, o Rei do Pop já teria reunido diversos artistas e organizado o show 'What More Can I Give', em homenagem às vítimas do atentado.



© 2010/2011 – MJJ FC – Os direitos autorais do texto pertencem só e exclusivamente a seu autor. É unicamente dever do autor garantir a integridade do mesmo.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Julgamento de Murray - Data e acusação definidas [ATUALIZADO]


Na Suprema Corte de Los Angeles, o j
uíz Michael Pastor finalmente marcou, depois da espera agonizante de milhares de fãs, o início do julgamento de Conrad Murray, médico responsável pela morte do Rei do Pop. Com a data (24 de Março) e a acusação (homicídio culposo, pena máxima de 4 anos) determinadas, tudo que nos resta agora é aguardar e rezar para que a justiça seja feita.

Leiam um artigo postado pelo Arquivo MJ, relatando as informações mais relevantes do dia 25/01:

"Quando perguntado como se declarava, Murray começou sua performance: 'Vossa Excelência, eu sou um homem inocente. Portanto, eu me declaro não-culpado'.

Com julgamento marcado para 24 de março (ao invés do dia 28, que havia sido estabelecido em audiência anterior), a promotoria estima que ele durará cerca de 4-6 semanas, enquanto a defesa estima 8 semanas de duração.

O advogado de defesa Ed Chernoff disse que o 'Dr. Murray está ansioso pela oportunidade de finalmente contar o seu lado da história'. Resta saber a qual dos lados/versões Chernoff se refere.

Chernoff também declarou que ainda não foi decidido se Murray irá depôr em sua própria defesa, e que encontrar um júri para ouvir o caso não deve ser um problema. 'O Dr. Murray tem absoluta fé no sistema judiciário e absoluta fé nas pessoas em geral', ele disse.


O juíz Pastor permitiu que o julgamento seja televisionado.

A licença médica do Dr. Murray ainda é válida em Texas e Nevada, onde ele exerce sua prática."



© 2010/2011 – MJJ FC – Os direitos autorais do texto pertencem só e exclusivamente a seu autor. É unicamente dever do autor garantir a integridade do mesmo.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

This Is It no Grammy 2011

No dia 1° de Dezembro do ano passado, foram anunciados os indicados ao Grammy 2011. A canção 'This Is It' recebeu uma indicação para 'Melhor Performance Vocal Pop Masculino':

HAVEN'T MET YOU YET - Michael Bublé
THIS IS IT - Michael Jackson
WHATAYA WANT FROM ME - Adam Lambert
JUST THE WAY YOU ARE - Bruno Mars
HALF OF MY HEART - John Mayer

O Grammy Award é o mais importante prêmio do meio musical internacional. Ele é realizado todo ano, desde 1959. Vale lembrar que os vencedores não são escolhidos por voto popular. Ou seja, qualquer enquete relacionada ao Grammy não é oficial e não terá nenhuma influência no resultado. Elas foram criadas com o único objetivo de saber a preferência do povo.

A celebração ocorrerá dia 13 de Fevereiro, Domingo, e está confirmado que o canal a cabo TNT transmitirá tudo ao vivo, começando às 23:00. Vamos torcer para que Michael ganhe mais essa!

Atualização: Infelizmente, não foi dessa vez. O Rei do Pop perdeu para o cantor Bruno Mars, que concorria com a música 'Just The Way You Are'.



© 2010/2011 – MJJ FC – Os direitos autorais do texto pertencem só e exclusivamente a seu autor. É unicamente dever do autor garantir a integridade do mesmo.