quarta-feira, 30 de junho de 2010

Tristemente comum

Ontem comprei um poster do MJ chamado 'Uma lenda do início ao fim'. Achei seus textos interessantes. Resolvi postar um aqui: 'Tristemente comum'. É bem tocante, principalmente o final. Seu principal foco é o sofrimento de Michael quando criança. Vale a pena ler!

Tristemente Comum

A história de Michael Jackson antes da fama é exatamente igual a de milhões de crianças de todas as cores, credos e posição social em diversas partes do mundo. Ser vítima da violência doméstica, de abusos psicológicos, de padrões moralistas (e não morais) rígidos impostos por quem, geralmente, não tem a menor condição moral de impor o que quer que seja, tudo isso somado à pressão por parte de pais cegos diante da possibilidade do filho ser o pote de ouro no fim do arco-íris (em black & white), aproxima o pequeno Michael dos mortais.

O que o distancia e o destingue dessa maioria, é que em silêncio ele abraçou e protagonizou essa história, cujo roteiro foi escrito por um pai frustrado diante do próprio fracasso como pessoa e artista. Um pai que usou a religião para manipular a família e submeter a todos, e em particular o pequeno Michael, às suas ambições. Jamais perguntou ou se importou com a vontade dos personagens desta história. Tratou logo de destruir a auto-estima de cada um deles, enfraquecendo-os e esvaziando-os de amor próprio. Transformou crianças em trabalhadores militarmente treinados, disciplinados à exaustão, operários de uma arte arquitetada para encher os seus bolsos, bancar suas orgias, empanturrar seu insaciável ego.

Michael Jackson não teve escolha. Não sabia o que era isso, escolha. Liberdade foi uma palavra, um sentimento, um estado de espírito jamais experimentado por ele, o escravo mais rico da história. Michael Jackson nasceu e não pôde ser menino. Virou astro cedo demais. Odiou a si próprio cedo demais. Ficou excêntrico cedo demais. Morreu cedo demais, antes mesmo de viver.



© 2010 – MJJ FC – Os direitos autorais do texto pertencem só e exclusivamente a seu autor. É unicamente dever do autor garantir a integridade do mesmo.


Créditos: Pôster ‘Michael Jackson – Uma lenda do início ao fim’, da editores Escala.

7 comentários:

  1. Cara comprei eese poster Segunda muito bom fez bem em comprar

    ResponderExcluir
  2. O autor fez uma explanação profunda e tocante sobre MJ.
    Amei... amei... Senti um aperto no peito só de imaginar o q esse ser humano sofreu. Foi massacrado, exigido, mutilado... E olha q sou uma leitora, apenas. E ele, q sofreu na pele tudo isso, todos os dias, desde q nasceu?
    É, nosso Mike morreu cedo demais, antes mesmo de viver.
    MJ Forever!!!

    ResponderExcluir
  3. Foi mto mto profunda,
    Ele sofreu mto mesmo em sua
    infância, seu dom foi explorado muito cedo
    brilhou muito, mas a partir daí
    começou a se tornar um adulto no corpo de uma criança :s, ele foi realmente um escravo da fama
    preso em tablóides, capas de revista,
    e tudo +, tanto dinheiro, e só infelicidades (praticamente)
    MJ FOREVER !!!

    ResponderExcluir
  4. Felipe, te agradeço por postar esse texto maravilhoso!
    Super tocante!
    Quem assistiu o filme "Os Jacksons, um sonho americano", viu como Michael sofreu na mão do pai que os escravizava!!!
    Ele era muito sensível, bem diferente dos irmãos.
    Por isso sofreu mais!
    Michael não tinha como se defender. Era uma criança!
    Como ele AMAVA cantar, dançar etc, seguiu em frente.
    E talvez esse tenha sido o seu único consolo!!!
    MJ forever!

    ResponderExcluir
  5. 'Morreu cedo demais, antes mesmo de viver.'

    Essa parte realmente me tocou.
    Infelizmente é verdade... MJ n teve tempo de VIVER.
    =/

    Forever alive in my heart...

    ResponderExcluir
  6. Triste mesmo... Michael não teve escolhas. As pessoas o julgam tanto, mas não tentam entender o drama dessa vida repleta de traumas, medos. Não deve ter sido fácil quando começou a crescer ouvindo que era feio toda hora, o pobre nem consegui se olhar no espelho... e ainda ter que lidar com a fama.
    Fique em paz Michael!

    ResponderExcluir
  7. O autor foi fundo e falou tudo!

    ResponderExcluir